Blog

Transformação digital do CSC: sua empresa está preparada?

Tempo de leitura: 3 minutos

Os Centros de Serviços Compartilhados (CSC) surgiram com o propósito de incentivar áreas diferentes dentro de uma empresa a executar o trabalho de forma alinhada e centralizada. Com a transformação digital, eles continuaram a se desenvolver, adotando novas tecnologias que aumentam a eficiência das operações.

Segundo a Pesquisa Global de Serviços Compartilhados (2019), 80% dos Centros de Serviços Compartilhados (CSC) que implementaram a automação de processos tiveram uma economia de até 20%. Devido ao sucesso dos CSCs, as empresas tendem a expandir o escopo das iniciativas de serviços compartilhados, integrando cada vez mais processos baseados em conhecimento juntamente com processos transacionais. Com a ascensão do Robotic Process Automation (RPA), a tecnologia digital se tornou um pilar central dos CSC.

O futuro parece brilhante para as empresas que têm sucesso na construção de seus CSCs e ainda mais para aquelas que optam por digitalizá-los. A eficiência de processos aprimorada e os custos reduzidos fornecem melhor valor para o negócio e se tornam uma vantagem competitiva no mercado.

Quer entender melhor o impacto da transformação digital para os Centros de Serviços Compartilhados (CSC)? Confira logo a seguir!

Transformação digital do CSC
Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Problemas contornados com a transformação digital do CSC

Ao levar a transformação digital para os Centros de Serviços Compartilhados (CSC), as organizações conseguem contornar diversos problemas que afetam sua eficiência. Confira, a seguir, os principais.

Comunicação insuficiente

Um fator importante que afeta negativamente a eficiência do CSC é a falta de compreensão dos processos de ponta a ponta. À medida que as equipes recebem a lista de tarefas, elas não podem vê-la no contexto de todo o processo e das responsabilidades de outras equipes cooperantes. Na maioria das vezes, eles são capazes de dizer quem é o fornecedor de solicitações, pedidos ou documentos financeiros sem ter conhecimento das etapas posteriores do processo e dos problemas com os quais outros funcionários lutam.

Falta de tempo que mata a iniciativa de melhorar

O trabalho diário apenas para “apagar incêndios” leva à perda de iniciativa para desafiar o status quo e sinalizar problemas. Essa prática afeta negativamente a produtividade dos processos e, consequentemente, a satisfação do cliente.

Automatização de processos executados na hora errada

Nos Centros de Serviços Compartilhados também se nota uma forte pressão na automação de processos, que é percebida como um meio para melhorar o trabalho, eliminar erros e reduzir custos. Muitas vezes esquecemos o fato de que, para que a automação traga os resultados esperados, ela deve ser aplicada a processos padronizados e funcionando corretamente. O problema surge quando a automação está sujeita a sistemas desestruturados e desordenados.

Alta rotatividade de funcionários, reduzindo eficiência e lucratividade

Outro fator importante que aumenta diretamente os custos operacionais, além de elevar o risco para a qualidade dos processos, é o alto índice de desgaste de funcionários. A equipe de gestão de CSC que luta com a pressão da redução contínua de custos obtém o efeito oposto como bônus – custos adicionais de recrutamento, treinamento, integração na empresa e processos.

Calculadora de Tempo Desperdiçado

Tecnologias usadas na transformação digital do CSC

Os desafios que acabamos de abordar podem ser superados estabelecendo processos automatizados desde o início. Com o uso das tecnologias certas, é possível alocar recursos com mais eficácia com base na demanda, equipando os clientes internos com análises para monitorar os custos dos serviços consumidos.

Confira as tecnologias mais adotadas no movimento de transformação digital do CSC:

  • RPA: Robotic Process Automation (Automação de Processos Robóticos) é uma tecnologia que permite a automatização de diversas atividades repetitivas, potencializando a produtividade.
  • Inteligência artificial: cada vez mais presente nos CSCs, pode ter diversas aplicações. A mais popular é o desenvolvimento de chatbots, que garantem eficiência e escalabilidade no atendimento.
  • Cloud computing: trata-se da disponibilidade sob demanda de variados recursos de computação pela internet, otimizando processos e proporcionando alta disponibilidade.

Automação fiscal para CSC

Não é novidade que a gestão fiscal e tributária no Brasil é complexa. Afinal, somos um país campeão em burocracia. A solução para transformar o departamento fiscal do CSC é apostar em uma ferramenta de automação fiscal.

Com RPA, é possível ganhar agilidade e produtividade. Em vez de depender de processos manuais e suscetíveis a erros humanos, CSCs passam a alcançar um padrão de excelência. Isso inclui a possibilidade de pagar tributos, gerenciar CND, centralizar os DTE e muito mais.

Você já conhecia o impacto da transformação digital no CSC? Quer continuar aprendendo sobre a importância da automação na sua organização? Então, confira nosso artigo sobre automação fiscal para CSC!

(Visited 33 times, 1 visits today)
Compartilhe
Sobre o autor

Alessandra Muniz

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Software para Gerenciar DTe: por que utilizar?
Software para Gerenciar DTe: por que utilizar?

Quer descobrir por quais motivos você deveria utilizar um software para gerenciar DTe? Então confira nesta matéria.

O que são impostos não cumulativos?
O que são impostos não cumulativos?

Conheça as principais características dos impostos não cumulativos e mantenha o compliance fiscal na sua empresa.

Como a Dootax pode ajudar o home office?
Como a Dootax pode ajudar o home office?

Neste artigo vamos entender melhor como a Dootax pode ser de grande valor para auxiliar o trabalho das equipes fiscais durante o home office.

Escritórios