Blog

ICMS DIFAL: tudo sobre a regulamentação da cobrança

Tempo de leitura: 4 minutos

Um assunto que tem gerado muitas dúvidas entre empresários e profissionais da área contábil é o ICMS DIFAL. O Diferencial de Alíquota surgiu para regular o recolhimento do ICMS nas operações interestaduais. Porém, a regulamentação sobre o assunto ainda causa incertezas.

Em 2021, começou a ser movimentado o Projeto de Lei 32/2021 com o objetivo de inserir a cobrança do DIFAL na Lei Complementar 87/96 (Lei Kandir). Já em janeiro de 2022, a PLP 32/2021 foi convertida na Lei Complementar 190/22. Mas como isso afeta o DIFAL do ICMS? E, mais importante, a partir de quando as mudanças passam a valer?

Neste artigo vamos compreender tudo o que você precisa saber sobre a regulamentação da cobrança do ICMS DIFAL. Confira!

ICMS DIFAL
Negócio foto criado por pressfoto – br.freepik.com

O que é o DIFAL?

O Diferencial de Alíquota de ICMS (DIFAL) é um instrumento criado para tornar a arrecadação do ICMS mais justa entre as unidades federativas. Afinal, como as alíquotas praticadas variam entre uma UF e outra, é preciso considerar essa diferença no momento do recolhimento do tributo, certo?

Sendo assim, é preciso encontrar a diferença entre as alíquotas praticadas para fazer o recolhimento desse valor. Em uma operação em que o estado de origem possui a alíquota de 12% e o estado de destino usa a alíquota de 17%, seria preciso calcular um DIFAL de 5% sobre o valor da operação.

O ICMS DIFAL se torna importante por tornar a arrecadação do ICMS mais equilibrada entre os estados brasileiros. O objetivo é fazer com que os estados de origem e destino dividam a carga tributária, evitando que as regiões com alíquotas maiores saiam perdendo.

Ao longo de 2021 o DIFAL de ICMS foi ponto de polêmica e novas mudanças estão sendo implementadas. Veremos um pouco mais sobre isso logo a seguir.

Linha do tempo do ICMS DIFAL

Para facilitar a compreensão da regulamentação do ICMS DIFAL, vamos ver uma linha do tempo:

  • Abril de 2015: o DIFAL foi instituído através da Emenda Constitucional 87/2015.
  • Setembro de 2015: o CONFAZ disciplinou os procedimentos do DIFAL por meio do Convênio ICMS 93/2015.
  • Fevereiro de 2016: foi decidida pela suspensão da cobrança do DIFAL nas saídas fornecidas por optantes do Simples Nacional, adquirida através de liminar pela ADI 5464.
  • Fevereiro de 2021: o STF julgou a cobrança do DIFAL inconstitucional, pois foi instituída através de Emenda Constitucional e deveria ser por Lei Complementar. Apesar da inconstitucionalidade, o julgamento suspendendo a cobrança possuiria efeitos somente a partir de 2022.
  • Agosto de 2021: o Projeto de Lei 32/2021 começa ser movimentado com o objetivo de inserir a cobrança do DIFAL na chamada Lei Kandir (Lei Complementar 87/96).
  • 20 de dezembro de 2021: o PLP 32/2021 foi aprovado no Senado, seguindo para sanção presidencial.
  • 29 de dezembro de 2021: o CONFAZ lançou o Portal Nacional do DIFAL por meio do Convênio ICMS 235/2021. Esse Portal permite o direcionamento para a emissão das guias de recolhimento para cada Unidade Federada, reúne as legislações aplicáveis e respectivas alíquotas, os benefícios fiscais de cada ente federado, indicações de obrigações acessórias, entre outras informações.
  • 4 de janeiro de 2022: finalmente, o PLP 32/21 foi convertido na Lei Complementar 190/21.

Lei Complementar 190/22 e a polêmica sobre o recolhimento do ICMS DIFAL

Conforme acabamos de ver, o STF julgou inconstitucional a cobrança do ICMS DIFAL pela ausência de Lei Complementar que justificasse essa cobrança. Porém, a inconstitucionalidade da cobrança teria efeito somente a partir de 2022 – caso não houvesse publicação da Lei Complementar em 2021.

Por conta disso, iniciou-se um movimento para a criação dessa Lei Complementar. E o grande ponto em questão é que o Projeto Lei 32/2021 somente foi convertido na Lei Complementar nº 190 em janeiro de 2022. Com isso, iniciou-se uma divergência entre tributaristas e representantes dos estados.

Por conta do princípio constitucional da anterioridade anual (que não permite a cobrança no mesmo exercício financeiro da publicação da lei que institui ou aumenta os tributos), a cobrança do ICMS DIFAL poderia ser realizada somente a partir de 2023. Por outro lado, os estados entendem que não seria preciso respeitar tal princípio por não ter havido um aumento de imposto.

Além disso, o princípio da anterioridade nonagesimal permite que os estados realizem cobranças dos contribuintes apenas passados 90 dias da criação da lei que os instituiu ou aumentou o tributo. Portanto, essa é uma polêmica que deve se estender ao longo dos próximos meses.

Afinal, os estados poderão cobrar o ICMS DIFAL em 2022?

Tendo como base no princípio da anterioridade anual, a cobrança do DIFAL de ICMS somente poderia ser realizada se a publicação da Lei Complementar fosse realizada até o dia 31/12/2021. Por isso, muitos juristas entendem que os estados não poderiam realizar essa cobrança do contribuinte em 2022. Outros acreditam que deve-se respeitar a noventena, e há também os que entendem que nenhum dos dois é necessário.

Em todo caso, essa é uma decisão delicada para as empresas, pois pode envolver discussões judiciais com os estados. Há respaldo legal para continuar o recolhimento normalmente, já que a lei que instituiu o DIFAL é a EC 87/2015, sendo este o entendimento de boa parte dos estados. No entanto, diante da lacuna decorrente da divergência de entendimento, é bem provável que algum agente econômico acione o STF, e este sim venha a pacificar o assunto.

Pagamento de tributos

O que vem pela frente?

Já sabemos muito bem como o cenário tributário brasileiro é marcado pela complexidade. E a polêmica em torno do ICMS DIFAL é mais uma prova de toda a confusão que pode chegar ao setor fiscal. Por isso, é importante se manter atualizado.

Mais do que isso, a tecnologia pode ser uma grande aliada para lidar com toda a burocracia fiscal. A Dootax possui soluções de automação que auxiliam no recolhimento de tributos como o ICMS DIFAL e o cumprimento de outras rotinas do departamento fiscal.

Quer saber mais sobre como a tecnologia pode simplificar seu dia a dia? Então, venha descobrir como a Dootax pode auxiliar sua área fiscal!

(Visited 42 times, 6 visits today)
Compartilhe
Sobre o autor

Alessandra Muniz

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Novo web service de distribuição de documentos fiscais eletrônicos
Novo web service de distribuição de documentos fiscais eletrônicos

Divulgada Nota Técnica apresentando o novo web service de distribuição de documentos fiscais eletrônicos que disponibilizará para os atores da NF-e informações e documentos fiscais eletrônicos de seu interesse.

PERT: Programa Especial de Regularização Tributária
PERT: Programa Especial de Regularização Tributária

Você conhece o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT)? Descubra agora como ele funciona e quais as implicações da adesão.

Reforma Tributária 2019 – Por que realizá-la?
Reforma Tributária 2019 – Por que realizá-la?

Entenda quais motivos levam à realização da reforma tributária 2019 e conheça as principais propostas.

Escritórios
 
 
 
Simples Nacional