Blog

DTE – Domicílio Tributário Eletrônico

Tempo de leitura: 4 minutos

O Domicílio Tributário Eletrônico (DTE) é uma plataforma criada pelo governo para servir como canal principal de comunicação entre o contribuinte e as mensagens e cobranças oficiais do governo. Trata-se de outra das mudanças promovidas para modernizar a relação entre os contribuintes e o poder público através do uso da internet.

Antes do surgimento do DTE, a única forma de o contribuinte ser intimado pela Receita Federal era por meio de cartas registradas – gerando uma grande burocracia e tornando os processos muito longos. Com a possibilidade dessa comunicação em formato digital, o contribuinte pode ser intimado para apresentar defesas e tomar ciência de atos administrativos através de uma caixa postal disponível na internet.

Ao longo deste artigo veremos as principais informações sobre o Domicílio Tributário Eletrônico – DTE. Acompanhe.

O que é DTE?

O Domicílio Tributário Eletrônico é uma caixa postal disponibilizada em formato digital em que são postadas e armazenadas as correspondências de caráter oficial destinados ao contribuinte. A previsão legal para o DTE está no art. 23 do Decreto 70.235/72, que trata sobre o processo administrativo fiscal:

Art. 23. Far-se-á a intimação:
(…)
III – por meio eletrônico, com prova de recebimento, mediante:
a) envio ao domicílio tributário do sujeito passivo; ou
b) registro em meio magnético ou equivalente utilizado pelo sujeito passivo.

A intimação realizada através do DTE pode ser realizada pelas Prefeituras, Secretarias de Fazenda Estaduais e Federal – com o uso de plataformas diferentes para cada uma dessas esferas. Para garantir o sigilo, a identificação, a autenticidade e a integridade das comunicações, o acesso à caixa postal eletrônica é permitida apenas para usuários autorizados e portadores de certificação digital.

Gerencie diversos DTE com organização, agilidade e segurança

O que mudou com a introdução do DTE?

A grande mudança trazida pelo Domicílio Tributário Eletrônico é a possibilidade de receber notificações e intimações do poder público sem depender da comunicação via postal ou pessoal. Assim como grande parte das comunicações empresariais migraram para o formato digital (com o uso de e-mails e aplicativos de bate-papo), a comunicação oficial do poder público também passa a funcionar digitalmente.

É importante frisar que o ente da administração tributária tem liberdade para regulamentar e disciplinar a forma de adesão ao serviço para os contribuintes. Enquanto âmbito estadual e municipal o credenciamento é obrigatório, no âmbito federal essa adesão é facultativa.

Entretanto, existe uma grande ressalta sobre a facultatividade de adesão ao DTE no âmbito federal: o contribuinte que acessa o portal e-CAC para utilizar determinados serviços de forma eletrônica passa a ser obrigado a usar o Domicílio Tributário Eletrônico.

Presunção de conhecimento dos fatos

Uma característica marcante do DTE é a presunção de conhecimento dos fatos. Após o credenciamento do contribuinte no sistema, os prazos processuais começam a correr a partir do envio da intimação em formato digital. Mesmo que o contribuinte não acesse a mensagem e não tenha conhecimento sobre o seu conteúdo, os prazos começam a correr.

Ou seja, é preciso ficar muito atento para não perder os prazos recursais por conta dessa presunção de conhecimento dos fatos. A partir do momento da disponibilização da comunicação pela autoridade tributária, o prazo começará a fluir em 15 dias no caso da Receita Federal (DTE). Já para as esferas estaduais e municipais é necessário consultar como funciona a fluência dos prazos.

Vantagens e desvantagens do DTE

A utilização do DTE pode gerar diversas vantagens e desvantagens para o contribuinte. Veja quais são as principais delas:

Vantagens

  • Acesso a vários serviços que antes exigiam o deslocamento até a repartição pública;
  • Redução no tempo gasto com trâmite de processos administrativos digitais;
  • Economia e celeridade processual;
  • Segurança contra extravio de correspondência;
  • Garantia do sigilo fiscal.

Desvantagens

  • Qualquer pessoa com certificado digital pode fazer a adesão ao DTE, o que pode gerar situações de cadastramento involuntário – causando complicações por conta da presunção de conhecimento dos fatos;
  • Os prazos começam a fluir a partir do momento em que uma mensagem é enviada – mesmo que o contribuinte não tenha feito a leitura do seu conteúdo;
  • É preciso consultar frequentemente a caixa postal eletrônica para não perder os prazos;
  • O uso do DTE requer maior integração entre as áreas contábil, fiscal e jurídica.

Lista de DTEs (federal e estaduais)

O Domicílio Tributário Eletrônico recebe essa denominação na esfera federal, mas pode receber outras nomenclaturas de acordo com o estado ou município. Um ótimo exemplo disso ocorre em São Paulo – que possui as nomenclaturas DEC (Domicílio Eletrônico do Contribuinte) na Secretaria da Fazenda de SP e DECP (Domicílio Eletrônico do Cidadão Paulistano) na Prefeitura da cidade São Paulo.

Para ajudá-lo a identificar a página para buscar mais informações e fazer a adesão ao Domicílio Tributário Eletrônico, separamos uma lista com os DTEs nas esferas federal e estadual:

Você já conhecia o funcionamento do DTE? Que tal simplificar o acesso de seu negócio ao fisco? Conheça agora o Gestão de Certidões, a solução ideal para gerenciar certidões negativas de débito e positivas de forma centralizada.

(Visited 1.130 times, 43 visits today)
Compartilhe
Sobre o autor

Thiago Souza

5 comentário(s)
  1. Mauricio disse:

    Dootax automatiza o acesso do DT-e de todos os estados ?

    1. Carlos Lima disse:

      Oi, Maurício. Tudo bom? Sim, a Dootax está integrada à conta corrente (ou DTe) da empresa em todas as UFs que possuem esse modelo, além de ser capaz de fazer o download das guias disponíveis no site da SEFAZ e realizar o pagamento.

  2. Silvio Oliveira disse:

    Carlos boa tarde.
    a Dootax faz consultas no ambito dfederal e municipal tambem. ?

    1. Carlos Lima disse:

      Oi, Silvio! Tudo bem e você? Sim, a Dootax faz consultas em órgãos federais, estaduais e municipais.

      Já em relação às perguntas do outro comentário: o sistema acessa o e-CAC, mas para download do DARF gerado pela DCTF-Web. Porém, é possível estender essa funcionalidade para consulta de situação fiscal e outras. Além disso, o nosso software tem integração com a prefeitura de São Paulo para o download das guias de ISS, mas não acessamos o DEC para consulta de notificações, situação fiscal, entre outros.

  3. Silvio Oliveira disse:

    1- O Sistema consulta o e-CAC ? Situação fiscal, DEC, caixa postal, despachos decisórios e processos da receita federal. ?

    2- O Sistema consulta o DEC da Prefeitura de São Paulo. ?

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Zona Franca de Manaus
Zona Franca de Manaus

A Zona Franca de Manaus (ZFM) é um mundo a parte quando falamos em questões fiscais e tributárias. Veja aqui mais detalhes, benefícios fiscais e sua história.

Como emitir uma CND estadual?
Como emitir uma CND estadual?

Saiba a importância da CND estadual e como automatizar o gerenciamento deste documento com praticidade e eficiência na sua empresa.

Certidão Negativa Federal – gerencie de forma automática
Certidão Negativa Federal – gerencie de forma automática

Quer descobrir como gerenciar Certidão Negativa Federal de forma automática? Conheça as funcionalidades do DOOLivery Gestão de Certidões.

Escritórios