Blog

Automação fiscal e o comparativo entre Robô x Humano

Tempo de leitura: 3 minutos

A automação fiscal é um ótimo exemplo dos processos que são utilizados para aumentar a produtividade dentro das empresas. É cada vez maior o uso da tecnologia para diminuir a necessidade da intervenção humana em atividades manuais e repetitivas – garantindo um ganho de tempo e recursos.

Conhecer melhor quais são os processos que podem ser automatizados e quais atividades necessitam da intervenção humana para que sejam executados é muito importante. É através do equilíbrio entre os robôs e humanos que a sua empresa pode potencializar os seus resultados.

Uma empresa que adota a automação fiscal consegue otimizar os processos fiscais e organização das informações em um sistema digital, certo? Entretanto, uma análise estratégica e todas as operações que requerem a técnica e experiência de um profissional não podem ficar nas mãos das máquinas.

Neste artigo veremos um comparativo entre robôs e humanos, relacionando com os processos de automação fiscal. Confira.

Robô x Humano

O diferencial competitivo das empresas não é obtido apenas nos processos que possuem ligação direta com o consumidor – como as ações de marketing ou abordagens da equipe comercial. Todos os ganhos internos que reduzem o consumo de recursos ou agilizam as atividades administrativas também são muito importantes.

Foi seguindo essa lógica que as empresas começaram a apostar cada vez mais na metodologia de RPA (Robotic Process Automation), que substitui o trabalho manual dos humanos pela ação de máquinas. Um ótimo exemplo disso seria a automação fiscal que reduz a necessidade da intervenção humana nos trabalhos repetitivos do departamento fiscal de uma organização.

Com tantos avanços da tecnologia, a grande questão que surge é: até que pontos os robôs podem substituir os humanos? Assumir processos manuais e repetitivos é muito fácil, mas com o avanço da Inteligência Artificial podemos ver softwares que se comportam e evoluem como um humano.

Processos repetitivos e o fator psicológico do humano

É nos processos repetitivos que os robôs atuam com mais eficiência. Imagine as operações de um escritório de contabilidade antes da automação fiscal: era necessário contratar dezenas de funcionários apenas para digitar e conferir as guias de tributos de todos os clientes – uma atividade que exige muita atenção e fundamental.

Entretanto, pare para imaginar a motivação de um funcionário que passa o dia inteiro realizando processos repetitivos. É muito provável que o seu rendimento caia ao longo de um dia de trabalho, certo? Uma pessoa necessita de outros estímulos para que execute um trabalho de qualidade ao longo de 8 horas diárias.

Por outro lado, uma máquina não é afetada pelo fator psicológico humano. Ela é programada para executar determinadas tarefas e faz isso com maestria – sem apresentar quedas no rendimento. Essa previsibilidade sobre os resultados também é muito importante para os resultados de uma organização.

Profissões que poderão acabar com o avanço da tecnologia RPA

Falamos bastante sobre a automação fiscal ao longo deste artigo, certo? Mas será que os profissionais da área tributária serão substituídos por máquina e sistemas ? Será que a profissão pode acabar por conta da evolução dos robôs? Ou então, quais profissões podem estar em risco por conta dos avanços tecnológicos?

A Universidade de Oxford realizou o estudo Future of Employment para avaliar quais profissões estão em risco levando em conta a evolução da automação para os próximos anos. Confira algumas das profissões que foram apontadas:

Profissão%
Operador de telemarketing99
Preparadores de impostos99
Contadores e auditores94
Examinadores fiscais93
Representante de vendas92
Assistente de recursos humanos90
Economistas43
Analista de compras87
Terapeuta Recreacional0,28

*Lembre-se que esse é um estudo feito no Reino Unido, e a realidade é diferente ao redor do mundo.

Comparação entre Robô x Humano

De forma geral, podemos separar as atividades executadas por robôs e humanos de acordo com a sua essência. Enquanto as atividades predominantemente operacionais podem ser executadas facilmente por softwares, as atividades estratégicas continuam nas mãos dos humanos.

Além disso, sempre é necessário um profissional que tenha domínio sobre o assunto para controlar os robôs e avaliar a qualidade dos resultados, certo? Caso contrário, é muito difícil que uma organização obtenha sucesso no mercado – por mais modernos que sejam os seus processos internos.

A questão não é uma comparação direta entre as capacidades de robôs e humanos, mas sim a utilização correta de cada uma dessas forças. Todas as atividades que podem ser executadas em menos tempo, com menos consumo de recursos e com maior qualidade através da automação devem ser realizadas dessa forma.

12º Fórum de Gestão Fiscal & SPED

Nos dias 15 e 16 de maio de 2018, a Confeb está organizando o 12º Fórum de Gestão Fiscal e SPED, que ocorrerá em São Paulo. Um dos temas em destaque desse ano é exatamente a Inteligência Artificial e os processos de automação fiscal através da robotização (RPA Fiscal).

Nosso Head de produtos, Luis Pessoto, irá participar do debate: “Os profissionais da área tributária serão substituídos por máquinas e sistemas?”. Você como nosso leitor está mais do que convidado para participar do evento.

OS PROFISSIONAIS DA ÁREA TRIBUTÁRIA SERÃO SUBSTITUÍDOS POR MÁQUINAS E SISTEMAS?

Você já conhecia todo o avanço da automação de processos nas empresas? A sua organização já trabalha com a automação fiscal? Deixe o seu comentário!

(Visited 65 times, 1 visits today)
Compartilhe
Sobre o autor

Thiago Souza

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Dootax patrocina o Congresso de Tributos – 2018
Dootax patrocina o Congresso de Tributos – 2018

Firmando sua parceria com a Confeb, a Dootax oficializou seu patrocínio no Congresso de Tributos – 2018 que ocorrerá no dia 11 de Setembro.

Distrito Federal estabelece calendário de obrigatoriedade para a NFC-e
Distrito Federal estabelece calendário de obrigatoriedade para a NFC-e

O Distrito Federal publicou na última sexta-feira (24/10/2014) a Portaria 234/2014, estabelecendo as regras para a utilização da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica e também o seu cronograma de obrigatoriedade: 1º de janeiro de 2016 – Contribuintes em início de atividade, exceto os optantes pelo Simples Nacional 1º de julho de 2016 – Contribuintes optantes […]

ICMS-ST também não integra a base de PIS e COFINS
ICMS-ST também não integra a base de PIS e COFINS

De acordo com o entendimento do juiz Ricardo Nüske, da 13ª Vara Federal de Porto Alegre, o ICMS-ST não integra o patrimônio do contribuinte e por isso não pode ser incluído na base do PIS e da COFINS. Já explicamos anteriormente em detalhes o ICMS-ST, onde a responsabilidade de recolhimento do imposto devido é de […]

Escritórios